quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

A bolsa

Isso aconteceu há um bom tempo, eu devia ter uns 11 anos... Mas, como nunca me dispus a escrever a aventura, bateu aquela vontade depois de uma reunião em família e cá estou eu! (A mesma reunião, aliás, que rendeu a historinha do post passado e dores nas minhas coxas por causa de uma brincadeira de esconde-esconde...)

Era a comemoração de 25 anos da Economia Doméstica, curso que minha mãe ensina na federal, e haveria uma missa em homenagem, numa capela qualquer. Mamãe convidou vovó e, antes de irmos buscá-la, aproveitamos e demos carona à empregada de uma tia minha, porque era caminho. Pegamos vovó e fomos à capela.
A capela tinha uma única sala, e logo eu encontrei minha prima Luna (que também tinha ido, com sua mãe). Ficamos a tagarelar (hihi!) e nos esquecemos dos adultos!
Até que vovó surge assustada:
- Garotas...! Eu acho que roubaram minha bolsa!
- Quê, vó?! E essa bolsa aí?
- Trocaram as bolsas! Eu tava com outra e de repente essa apareceu debaixo do meu braço! Eu acho que era uma mulher que tinha se sentado do meu lado e depois mudou de lugar!!!
- Oh!
- Dêem uma olhada por aí que ela não deve ter ido muito longe!
- Tá!
Ela descreveu a bolsa (“Preta com uma fechadura dourada”, grande descrição!) e nos pusemos a procurar a bolsa de vovó. Procuramos, procuramos e nada! Minha tia e minha mãe ficaram sabendo da situação e acharam melhor falar para a organizadora do evento, vai que alguém tinha visto por aí uma bolsa preta com fechadura dourada, ou, melhor ainda!, alguém reconhecia a bolsa que deixaram com a minha avó?
A organizadora pegou a bolsa, não reconheceu, e abriu. Dentro, ela encontrou:
Um salmo noventa.
Dois dentes de alho.
Um crucifixo.
Dois cigarros.
E uma identidade!
A identidade, porém, só nos deixou mais confusas, pois era de uma moça jovem, loira tingida, com nome de sufixo “-ane”. Batia com alguém da Economia Doméstica? Não. Mesmo.
A bolsa rolou nas mesas de bares pós-missa a noite inteira, e ninguém reconhecia a bendita, dando porém um belo motivo de riso.
De repente, num estalo, veio: a empregada da minha tia! E, correndo para o carro, encontramos, num cantinho embaixo da cadeira, a bolsa da vovó.
Mania de assalto é pouco!

5 comentários:

Vanessa disse...

Fiquei com medo dessa história o_o Quem é que carrega dois dentes de alho mais um crucifixo dentro da bolsa? A mulher queria exorcizar alguém ou pretendia encontrar um vampiro por aí, só pode XD

Mas... :O sério, me arrepiei ç_ç' eu me lembrei de 'mortos' sabe-se lá porquê o_o'

o/

luh disse...

a empregada tava roubando alho da casa da sua tia! ahaha.
e tadiinha da sua vó! *-*

beeijo.

gabi disse...

Eu já tava pensando que algo sobrenatural tinha acontecido com a bolsa! :| aiuehauiehiauehiu
Beijooos

Irena disse...

HAHAHAHAHAHA quando você falou em loira, com alho e crucifixo eu fique toda:
"Buffy, a Caça Vampiros?"
Que coisa bizarra!

P.S.: e eu tenho livros E apostilas! O pessoal da minha escola tem problema, sério.

Tatah disse...

Hehee! Hhsuahuahs!
Essas aventuras em família são show!

Kissus ^^