domingo, 13 de março de 2011

Eu quero ser feliz antes de mais nada

Eu voltei de Maceió me queixando de dar trégua nas viagens por um tempo (ano novo em Barro Preto, Gabi aqui em janeiro, Salvador e então encontro do PET em Alagoas), mas depois de muitas enroladas, brigas e SMSs trocados, consegui garantir meu último carnaval no Brasil (por algum tempo) em... Salvador!!!!!
Tinha tudo pra dar errado: a ida e volta que teria de ser de busão (20 horas de viagem que acabaram sendo 22 horas e meia de muita vontade de usar o banheiro, refeições pela metade e quase nenhuma pasta de dente), a hospedagem na casa da mãe da minha meia-irmã por parte de pai (complicado!), a ausência de dinheiro para abadás e minha total falta de interesse por axé, blusas no meio da barriga e cerveja. Do meu (único e lindo) abadá só cortei a bainha, dispensei a cerveja mas voltei cantarolando uma penca de músicas.
Da Bahia eu digo: que terra linda! Que sotaque lindo! Que ladeiras íngremes! Todos os dias tínhamos que subir e descer uma ladeira digna de penhasco que deu o que suar. A praia é uma maravilha, azulzinha azulzinha, a onda imensa que encharcou todas as nossas coisas é que não foi tão maravilhosa. (Obrigada Iemanjá por não levar minha câmera, meu celular e meu cartão de crédito! Ainda que a câmera, que me aguentava desde 2003, tenha levado duas quedas depois e no momento eu esteja impossibilitada de olhar as fotos porque ela parou ligar.)
Do carnaval fica a tristeza de ter acabado... Só aprendi a gostar na faculdade, antes era só um feriado prolongado para acessar internet dial-up mais barato, morgar pela casa e assistir filmes, mas agora me dá uma dor no coração de pensar que vou passar uns aninhos sem carnaval. Mando beijo para: Filhos de Gandhy, princípe maluco e Patrícia, negra linda que fez a trança mais beautiful no meu hair. (A trança evidentemente ficou detonada com a última noite de pipoca com Ivete e Chiclete, a praia maravilhosa de Imbassaí no dia seguinte, onde as mesas das barracas ficam dentro d'água, e a viagem enfadonha até Fortaleza. 22 horas e meia para ir aceitando a dura realidade de que acabou.)

3 comentários:

Gabriela Couth disse...

Eu me sinto meio bizarra porque estou me formando e ainda não aprendi a gostar de carnaval. Sim, meus carnavais ainda são feriados de internet. Tudo bem que estou sempre acompanhada, e eles envolvem cinemas e sessões estendidas de amor e namoro, mas mesmo assim.

Acho que é porque ainda não encontrei um carnaval que eu goste... Quem sabe, um dia?

Beijo!
E que bom que você está tão feliz :)

Anna Vitória disse...

Ah Jana, só você e seus relatos alto astral pra me fazer pensar que carnaval pode ser divertido!
hahaha
Ah, adorei seu posts sobre o menino do melhor ombro do mundo, achei o máximo, haha!
beijo

Gab disse...

Falando assim, quase me convenço de que carnaval é legal. hahaha.
Mas cá entre nós, sempre quis passar o Carnaval numa praia linda dessas. (:
Beijo.