domingo, 25 de outubro de 2009

Isso ou eu não sei reconhecer a verdadeira arte

Sexta-feira eu fui nessa apresentação de dança que não fez o menor sentido pra mim, nem pra minha mãe, nem pra minha tia. Não consegui evitar leves cochilos ao longo dos noventa minutos, nem pensar em todas as atitudes rejuvenescedoras – escovar os dentes, vestir a camisola e me deitar na cama – que eu tomaria assim que chegasse em casa. Assim que o trambolho terminou, muitos, muitos aplausos, gente se levantando e aplaudindo mais ainda e eu lá imitando para não ficar de resto. Só que, sabe, o show foi tão pobre e sem-nexo que eu não conseguia evitar pensar que todo mundo ali apenas fingiu que tinha entendido tudo. E só aplaudiu para pagar de intelectual. Um dos meus eternos medos de seguir a veia artística é essa, ficar tãotãotão incrivelmente subjetiva que de repente vai ter um monte de gente incapaz de me entender. Arte não é sobre passar sensações um para o outro?

7 comentários:

Anna disse...

É uma questão pertinente, Jana, me lembrou o filme I'm Not There, aquele sobre o Bob Dylan. Juro pra você que passei 87% do filme boiando, porque o trabalho do diretor foi super pra ele, super abstrato e subjetivo e maioria das pessoas ficou com a mão no queixo, sem entender nada. É legal fazer algo pra si, mas a partir do momento que é divulgado, poxa, vamos fazer com que todos entendam e possam dar as mãos e serem felizes compartilhando lindos sentimentos e cantando Imagine! Mas apesar de tudo, eu achei o filme foda demais.

disse...

Espero que as pessoas entendam sua arte e, claro, aplaudam de pé.
Seus desenhos são lindos!

Gabriela disse...

Isso que você falou é bem verdade: tem artistas que são tão tão subjetivos que o público (que é uma das coisas mais importantes para um artista) chega não entender a obra.

Eu adoro subjetividade, sabe... Mas é que ser muito subjetivo as vezes não é bom.

Beijos Jana.

Thiago Augusto Corrêa disse...

Eu nunca entendi apresentações de dança... Uma amiga uma vez foi assistir uma em que o dançarino ficava nu e usava o movimento da coisa pra fazer ritmo.

Eu nao vejo arte nisso, mas alguns intelectuais disseram que tem e isso vai se proliferando.

Pra mim é bobagem.

Camila Peres disse...

Tivemos em aula uma discussão semelhante esses dias. Mas era sobre artistas e obras de arte, que hoje em dia, eles fazem ela para explicar um momento que eles passaram e não transmitem nem isso, nem coisa alguma!

Enfim, não deve ter sido muito agradável 90 minutos pensando em estar em casa. =D

Bom final de semana!
=*

Aíla disse...

Tava estudando coisas mais ou menos ligadas a isso dia desses. Uns teóricos que falam que a cultura de massa mudou nosso conceito de arte, pq, pra eles, arte não deveria ser algo feito esperando a "compra" dos outros. Pensando por esse caminho, cada um escolheria o que apreciar e chamar de arte e o artista estaria meio nem aí pro q os outros pensam, feliz só por criar, independente do quão sem sentido parecesse. Parece que meio se encaixa nisso que c foi v :x

malu disse...

a minha arte é para expressar o que eu sinto da minha maneira, independente de se os outros vão interpretar do mesmo jeito ou não. sei lá.