domingo, 8 de fevereiro de 2009

E eu nunca fui assaltada

Em um bocado de filmes infantis que eu certamente não consigo lembrar, sempre tem aquele momento em que a criança tem que descobrir o mistério “com o coração”. Tem que ir à busca de algo sem saber o que é ou ter a mínima idéia, mas, assim que encontrar!, vai saber que é o que procura.
Eu tenho uma queda por essas partes. Adoro!
E, ao mesmo tempo, tenho o maior receio de que eu naquele papel seria incapaz de ter certeza. Assim que dissessem “quando encontrar, você saberá!”, eu já ia começar a surtar, porque como eu posso ter certeza absoluta de que vou encontrar? E se eu buscar, buscar e ficar sem achado, será que é mesmo porque eu ainda não topei com a coisa? Eu poderia muito bem ter deixado passar batido, nem olhado, nem notado.
O nome disso é insegurança, não precisa nem refletir, mas ter consciência nunca me ajudou muito a ter confiança.

3 comentários:

Deborah disse...

me sinto exatamente igual a você: incapaz de reconhecer algo importante quando acontece.

Irena disse...

“Quando encontrar, você saberá!” é a minha filosofia de vida. Tô todo tempo atrás dessa coisa que não sei o que é, mas sei que quando encontrar eu SABEREI! Mas enquanto você não acha acaba sempre aproveitando as outras pequenas descobertas que às vezes te dão pistas pra descobrir o outro grande mistérios. O negócio é manter os olhos bem abertos, aí tudo vai fazer sentido. O processo todo não tem nada a ver com segurança.

Nicas disse...

Eu tenho medo de encontrar e passar batido.