terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Um conto de Natal

Como sempre, vou ter festa em família, mas vai ser bem legal... como sempre. Tias e mamãe me intimaram a fazer alguma coisa com os primos mais novos, e bolei uma peça sobre um garoto que não gosta de tomar banho mas quer virar o Homem-aranha como milagre de Natal! Acho meio difícil os primos colaborarem como a minha obra-prima (até parece!) pede... mas faremos o que dá.
Pra mamãe eu não ousei mais comprar roupa (já que a última blusa que eu comprei ela teve que trocar por um vestido mais bacana e pagar uma diferença de meros cinquenta reais) nem CD (o da Nara Leão está cuidadosamente guardado e só foi escutado uma única vez), então fui atrás de um... livro! Gabriel García Márquez, é bom ela amar.

5 comentários:

Irena disse...

Já te disse que achei essa história da peça muito Briony Telis de você? E é tão legal que seus primos pelo menos se interessam por isso, eu só tenho primos muito mais velhos ¬
E adorei a tirada do final da HQ, hahahaha!

Luisa disse...

Que história mais fofa! Me faz lembrar (danem-se as regrinhas de próclise...) de quando eu esperava séculos na escola e ficava brincando de contar os carros com meus amigos, cada um escolhia a cor e tudo mais. O legal era que a escola ficava numa avenida SUPER movimentada na hora do rush! haha.

Anna disse...

Quando eu era pequena, na festa de ano novo organizei uma peça com um primo meu. A gente ia encenar um episódio de Hey Arnold, haha. Ensaiamos, eu fiz as falas, e dirigi, mas na hora de apresentar ele resolveu fazer palhaçada e me arruinar publicamente. Um drama só! E aí eu saí correndo, chorando, dizendo que eu estava destruída. Já leu Reparação? Me senti a Briony quando os gêmeos e a prima do mal destroem Arabella em Apuros. Ah, como era bom ter 9 anos e dramatizar com essas little things.
Beijones

Nath Fontes disse...

primos nunca colaboram, isso é fato. huaauhuha
achei uma gracinha a historinha! aauhahu quando eu era pequena brincava de contar bueiros, placas de carro ... xD
beeijos

Nicas disse...

Pra minha mãe eu nem arrisco mais... são bolsas todo ano!