domingo, 29 de março de 2009

Quem falou que ciência exata não trata de amor?

Terça-feira é dia de laboratório, o que também significa que é dia de ficar o dia inteiro na faculdade e almoçar no restaurante universitário, pegando bandeja e comprando refrigerante para não beber água colorida.
A última foi particularmente legal, comemos um salpicão de frango que tinha milho, ervilha e batata (um banquete!), assistimos Wall-E no auditório da Geografia, pegamos uma chuvinha refrescante na ida pro nosso centro, e calminha que o melhor ainda está por vir!
Os laboratórios são bem divertidos, não muito diferentes dos que eu já fazia no colégio, na verdade, mas dessa vez eu uso um jaleco, que tem o meu nome costurado, meu curso, bolsos e me deixa com cara de cientista maluca! E ele é bastante conveniente, considerando que eu já derramei um ácido (bastante diluído! Bastante diluído!) no dedo de uma amiga, e, mesmo ela tendo corrido para a torneira e lavado loucamente, ele ficou afundado como se tivesse um calo. (Por uma semana! Por uma semana!)
Nesse nós fizemos duas experiências: em uma pegamos um pouco de gasolina (que era vermelha! Dá pra acreditar? Carros também têm sangue, afinal) e fomos descobrir quanto de álcool tinha ali, e foi com experiências mesmo, tá, não por telepatia. Teria sido interessante se eu não tivesse derramado gasolina no balcão e no menino do meu grupo e ficado com medo de fazer etapas mais perigosas. Na segunda, misturamos sais em água até diluírem, e depois fomos separá-los, aquecendo a mistura e esperando que eles precipitassem.
Com o primeiro sal deu tudo certo, ou melhor, tudo nos conformes, tudo normal, comum, ordinário. Com o segundo, deixamos o frasquinho na chapa quente, e, quando eu voltei para dar uma checada, vi algo mais ou menos assim, só que bem mais nítido e com flores ao redor, momento digno de clímax:Coração no frasco da soluçãoUm coração.
Da pra notar, né? A foto é ruinzinha, mas dá pra notar.
Um coração, minha gente!
O contorno, perfeitinho, oh, céus, puro amor!
Não, a foto não está uma maravilha, o celular da minha amiga que bateu a melhor foto de todas pifou no dia seguinte, e eu tive que pegar com um outro cara que por acaso estava filmando os fracos, apesar de o dele nem ter ficado poético. Assim, temos uma foto da foto, que dá para sacar a ideia e apreciar o momento. Um coração, mas minha nossa!!! E todo direitinho, e todo bonitinho! Deve ter sido algum aviso, uma mensagem subliminar do mundo para me dizer que, ei, você é amada, quem liga pra auto-estima?, apareceu um coração na sua experiência química!Outra foto para não duvidarem!

Um comentário:

Raquel Romão disse...

HAHAHHAHAHAHA!
Gente muito lindo! Quem dera eu ter um sinal - será que foi? - desses e, um laboratório na escola o____o'